quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Em quadro dado não se olha os dentes


Por favor, não se torne mais um retrato sobre a parede. Não me deixe aqui a empilhar silhuetas ao vento. As figuras todas estão espalhadas pelo muro, em quadrados.

(o mundo, quando nasce, se esparrama pelo chão)


Olharei para o seu ângulo, você-enquadro, achatado, um você relativo, de papel, moldura e vidro. Agora não poderá tomar mais banho, para não desbotar. Desintegrar.

Meu olhar nega-se a empacotá-lo nos abismos da memória. Você-sonho, que não. Revisito-o em um espaço de silêncios, onde já, foi. Foice. Você-quase, já não, sem detalhes.

No retrato, metáfora do vazio. Vácuo intervalo sem perfume. Desprendo-me, prego-o à parede e fecho a porta.

2 comentários:

Um mangá que atende pelo nome de Maria Sarabacura disse...

que lindo texto
delícia de ler e imaginar
assim como você
fruta doce no pé
linda menina
beijo beijo

cesar disse...

Tal qual. Que tal a cor. Rubra. Sem vergonha de ter na palida face o registro do amor em carne sem osso.